sexta-feira, 2 de abril de 2010

Enita III Chão rubro

Enita I  II III  História verídica.  Foto Google 
O ancião Makurap abre sua mão direita e torna a fechá-la.
Em 1989, na terra indígena dos Mekens, no Sul de Rondônia, ele diz.


-Olha, parente, como essa terra é bonita!

E espreme um punhado de terra fofa e vermelha fazendo escorrer entre os dedos um líquido sangrento como suco de açaí. Terra rica em nutrientes para os cafezais, a soja, o cacau, a pimenta-do-reino, lavouras que começam a mudar a paisagem do Sul de Rondônia no fim dos 1980.

- A Funai quer que a gente vá embora daqui. Eu não quero ir. Nós temos outros parentes Makurap morando longe, em outra reserva, mas eu quero ficar. Até aonde me lembro, da memória dos meus avós, todos nós nascemos aqui. Eu falo para meus filhos. Não vão embora, fiquem. A Funai diz que vai ser bom, mas o que eles querem é ficar com as nossas terras. Eu falo com todos para que não abandonem. Veja, Enita, essa terra não precisa do adubo que os fazendeiros usam, tudo que plantamos cresce muito e sadio. A Funai diz para vendermos as terras aos madeireiros, mas eu não quero vender nossas terras, eu quero ficar.

Enita respira fundo e pensa nas palavras para encorajar o velho. Lembra de uma história que ouviu em suas andanças pela região.

- Ouvi dizer que uns cientistas russos andaram pesquisando a terra e concluíram que é mais rica do que a mais rica das terras férteis de todos os países da União Soviética, tão equilibrada é a quantidade de nitrogênio, fosfato e outros minerais necessários para a agricultura. É mais valiosa que o ouro, comentou Enita.

O ancião Makurap sentou-se em um toco de árvore serrada pelos madeireiros e Enita continuou em pé admirando o horizonte azul, branco e rosa das nuvens recebendo os últimos raios de sol.

- O Senhor se lembra daquele casal de antropólogos que veio num avião?

-Lembro.

-Eles assinaram um documento para a FUNAI afirmando que aqui não há indígenas, que esta área não precisa ser demarcada.

-Você leu o documento, Enita?
-Voce sabe o nome deles?
-Eu sei sim! O nome deles...
-São bem conceituados, famosos.


-Eu li, sim! Dizem que as madeireiras podem continuar a derrubada, autorizando até as estrangeiras, mesmo que vocês não queiram. Depois que a madeira acabar, as terras serão vendidas para as fazendas.

-Então é por isso que estão nos ameaçando de jogar bombas de avião para deixá-los entrar.

-Quem disse isso?

-Os madeireiros. Se a gente não os deixar entrar, vão matar a gente.

-O documento diz que aqui não vive mais do que meia dúzia de pessoas e sem traços de cultura indígena.

O velho voltou a espremer na mão direita a terra rubra e estendeu o braço mirando a estrada onde roncava um caminhão de toras.

-Eles querem ver jorrar sangue.

Ambos cruzaram os braços, entreolharam-se e ficaram a ouvir, ao longe, o motor do caminhão que ainda zunia enquanto as sombras da noite baixavam sobre a aldeia. Um acauã invisível entoou seu canto lúgubre. Enita estremeceu.

- Vamos jantar, disse o ancião.
Autora Iracema forte Caingang
Todos os direitos reservados

Foto Iracema forte

13 comentários:

  1. Minha querida, não sei se comemora a PÁSCOA,mas lhe desejo uma FELIZ, renovada em AMOR e AMIZADE.

    Beijinhossssssssss

    ResponderExcluir
  2. Olá, Iracema. Obrigada por seguir meu blog. Senti falta aqui de imagens de suas produções plásticas... Um abraço.

    ResponderExcluir
  3. Iracema, muito bom texto. Parabéns. Obrigado por passar lá pelo meu blog. Você é sempre bem vinda.
    Abraço do Amorim

    ResponderExcluir
  4. Cara Iracema:
    Muito real teu texto!!
    Iracema: porque as coisas nunca mudam?????
    "Um dia acordei de manhã e fiquei contente ,
    no meu sonho , meu país tinha mudado,demorei pouco tempo á perceber que eu estava enganado"
    Transmita meu abraço ao ancião Makurap >
    Beijos
    Boa semana

    ResponderExcluir
  5. Oi Iracema, tudo bem? Vim agradecer sua visita e seu comentario no blog Templo da Sintonia, adoramos viu? Lá escrevo junto com a minha amiga Neguinha.
    Gostaria de aproveitar e te convidar a visitar meus dois blogs pessoais e me seguir caso queira ta?
    Adorei seu cantinho e virei sempre aqui.
    beijos.

    http://deliriosdamiss.blogspot.com/

    http://cantinhodamissrj.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  6. Oi Iracema, também escrevo contos e adoro fotografia. Parabéns pela delicadeza de tua escrita. Obrigada pelas carinhosas palavras.
    Beijo

    ResponderExcluir
  7. Hola Iracema
    Un terrible historia que Injusticia Reflejo del Comercio, la invasión de los poderosos. El Quiere todo el poder a él cualquier Precio. Buen informe.
    Gracias y saludos

    ResponderExcluir
  8. Iracema, é dramático!
    Me lembrou bastante o livro" Enterrem Meu Coração na Curva do Rio" de Ded Brown. Naquela obra tomamos conhecimento de histórias assim, de massacres, submissão, desrespeito.
    Os índios, em qualquer parte do mundo, sofreram e sofrem genocídios. E nada até hoje foi feito para que as Nação Indíginas sejam reparadas.
    Fiquei grudado com os olhos em seu texto. Amargurado e ao mesmo tempo consciente.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  9. Desculpe-me!
    O nome do autor do livro que citei no outro comentário é Dee Brown. Eu havia cometido um erro lamnetável em errar o nome de tão importante escritor.
    Desculpe-me

    ResponderExcluir
  10. Parabéns pelo blog, Iracema.

    Histórias como essa, Histórias vividas, pagas com o sangue, com os sonhos; estas, deviam ser contadas nas escolas públicas, a cada abertura de aula, para que as crianças não tivessem a visão turvada pelo brilho dos neons das cidades. Para que estas crianças pudessem, enfim, perceberem que "alguma coisa está fora de ordem, Na Nova Ordem Mundial".

    Abraços

    ResponderExcluir
  11. Cara Iracema
    Você é uma Voz da Terra.
    Ouço-a com atenção e gratidão. Gratidão, por você não estar calada.

    Abraços.

    ResponderExcluir